Notícias/  Política

Cientistas querem oficializar início de nova época geológica, o Antropoceno

Passagem de humanos na Terra será visível por milhões de anos, diz estudo. Holoceno, era iniciada há 11.700 anos, já teria se encerrado por volta de 1950.

G1, em São Paulo

08/01/16 às 17:31

Imprimir Enviar para um amigo
Cientistas querem oficializar início de nova época geológica, o Antropoceno

Antropoceno deixaria sinal em camadas de rochas como as linhas do Grand Canyon

Foto: Tony Hisgett/CC

Um novo estudo sugere que já há evidências suficientes de que as mudanças ambientais causadas pela humanidade na Terra deflagraram o início de um novo período geológico. Os vestígios deixados, sugere o trabalho, serão detectáveis em camadas no solo daqui a milhões de anos, mesmo que a humanidade acabe.

O termo Antropoceno (da palavra grega anthropos, homem) foi cunhado na década de 1980 pelo ecólogo americano Eugene Stoermer para ilustrar o impacto das populações humanas no ambiente. Agora, porém, já merece ser oficialmente incorporado ao vocabulário dos geólogos, afirma o trabalho.

A proposta é defendida em um estudo publicado nesta quinta-feira (7) pela revista "Science", liderado por Colin Waters, cientista do Serviço Geológico Britânico. Segundo o geólogo, o Antropoceno passou a exibir a maior parte de seus sinais distintivos a partir de 1950, e encerra a época do Holoceno, que começou há 11.700 anos.

"Os depósitos antropogênicos recentes contém novos tipos de rochas e minerais, refletindo uma rápida disseminação global de alumínio puro, concreto e plástico", afirma o estudo. "A queima de combustíveis fósseis disseminou fuligem, esferas de cinza inorgânica e partículas carbonáceas esféricas por todo o mundo."

Tecnofósseis
Waters e seus colaboradores apelidaram de “tecnofósseis” esses materiais propensos a sobreviver no futuro. Ele e pesquisadores de outras 21 instituições que assinam o estudo afirmam que o Antropoceno já possui "estratigrafia" -- a identificação de épocas geológicas pela deposição de camadas no solo -- distinta daquela do Holoceno.

Além das mudanças em camadas geológicas, paleontólogos num futuro distante serão capazes de identificar um evento de extição em massa de espécies. Trabalhos citados pelo estudo indicam que o planeta está no rumo de perder 75% das espécies nos próximos poucos séculos.

Aquecimento
O Antropoceno também é distinto do ponto de vista da mudança climática global, causada pelo aumento da concentração de gases do efeito estufa, dizem os pesquisadores.

"As concentrações atmosféricas de gás carbônico e metano se distanciam do Holoceno começando por volta de 1850 e mais acentuadamente em 1950", escrevem.

As mudanças são visíveis tanto na análise de sedimentos depositados mais recentemente quanto no gelo que vem se formando em regiões polares. Geólogos tradicionamente usam "testemunhos", longas colunas de geleiras perfuradas, para analisar a composição de gás atmosférico capturado em bolhas milhares de anos atrás.

Algumas mudanças detectadas são mais sutis, mas também distintivas. Duas delas são subida de temperatura, que chega a uma média global de 0,9°C acima do natural, e o aumento no nível do mar, numa média de 3,2 mm por ano após a década de 1990. Os números podem parecer pequenos, mas não há registro de que tenham sido assim nos últimos 14 mil anos.

Se o aquecimento global continuar desenfreado, dizem os pesquisadores, a população humana vai encerrar não apenas o Holoceno, uma "época geológica", mas também o Quaternário, um "período geológico" -- recorte de tempo maior, iniciado 2,6 milhões de anos atrás.

Era atômica
O estudo publicado na "Science" ainda mapeia outros sinais da presença humana no planeta que devem perdurar ao longo das eras. Um deles é a mudança na deposição de sedimentos causada pela urbanização, pelo desmatamento e pela construção de represas.

Outro deles é o uso de armas nucleares, detonadas duas vezes no fim da Segunda Guerra Mundial e dezenas de vezes em testes até depois do século 20. Apesar de relativamente breve, esse intervalo deixou um excesso de carbono-14 -- uma versão mais pesada do átomo de carbono -- que será depositado no estrato geológico em formação agora.

"Essas novas assinaturas estratigráficas corroboram a formalização do Antropoceno no nível de época, com um limite de início posicionado adequadamente no meio do século 20", dizem os cientistas.

A adoção de um novo nome para definir o período atual, afirmam os pesquisadores, pode não mudar radicalmente a perspectiva da ciência, que já está ciente daquilo que ocorre. Na área da educação, porém, a medida daria mais visibilidade à seriedade das mudanças ambientais que o planeta sofre.
Imprimir Enviar para um amigo

0  comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Nova Edição. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Nova Edição poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 
 
 
Sitevip Internet