Notícias/  Cidades

Força-tarefa procura piloto que sumiu em mata fechada após queda de avião

G1 Mato Grosso

06/11/18 às 11:50

Imprimir Enviar para um amigo
Força-tarefa procura piloto que sumiu em mata fechada após queda de avião

Foto: Arquivo Pessoal/Reprodução

 
Uma força-tarefa é feita nesta terça-feira (6) para tentar encontrar o piloto Maicon Semencio Esteves, de 27 anos, desaparecido desde domingo (4) depois que o avião agrícola que ele pilotava caiu em uma área de mata fechada no Distrito de União do Norte, em Peixoto de Azevedo.
 
Essa força-tarefa é composta por voluntários, policiais, parentes da vítima e moradores.
 
Policiais militares e trabalhadores da fazenda próxima ao local do acidente encontraram os destroços da aeronave. No entanto, não havia vestígios de Maicon.
 
O irmão do piloto, Diego Semencio Esteves, disse ao G1 que as equipes de busca fizeram uma varredura durante a segunda-feira (5) e retornaram no final do dia sem encontrá-lo.
 
A família esteve no local e diz que a cabine da aeronave estaria intacta e com a porta aberta, o que indicaria que Maicon teria deixado o local. Também não foram encontradas marcas de sangue. “Fizemos uma busca nessa área e não o encontramos. Ele pode estar desorientado, mas vai ser encontrado. Ele está caminhando nessa mata. Tenhamos fé e esperança”, declarou um dos voluntários.

Os familiares acharam o canivete de Maicon a poucos metros do local onde o avião caiu.
 
Maicon mora em Primeiro de Maio, cidade do Paraná, e trabalha com aviação agrícola. Ele comandava um avião, modelo Neiva EMB-201, matrícula PT-GSH. Ele saiu de Porto Nacional, no Tocantins, para fazer um translado até Alta Floresta, a 800 km de Cuiabá, quando sofreu o acidente.
 
Em um áudio enviado para a namorada, ao qual o G1 teve acesso, Maicon diz que sairia de Porto Nacional em direção a Confresa, a 1.160 km de Cuiabá, onde faria uma parada para abastercer.
 
De lá, seguiria para Matupá, a 696 km da capital, novamente para fazer um segundo abastecimento. A viagem terminaria em Alta Floresta.
 
O grupo de busca usa GPS, sinalizadores e conta com apoio da Força Aérea Brasileira (FAB) e de um helicóptero, segundo a Polícia Militar.
 
O local é de difícil acesso e o ponto de comunicação mais próximo fica a 8 quilômetros do lugar em que a aeronave caiu.
 
Em nota, a FAB informou que investigadores do Sexto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA VI), órgão regional do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), vão apurar as causas do acidente.
 
 
Imprimir Enviar para um amigo

0  comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Nova Edição. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Nova Edição poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 
 
 
Sitevip Internet