Notícias/  Política

Ao deixar CCC, ex-secretário diz que fará coletiva para falar sobre os 6 dias preso

Rd news

11/08/17 às 16:05 / Atualizada: 11/08/17 às 16:19

Imprimir Enviar para um amigo
Ao deixar CCC, ex-secretário diz que fará coletiva para falar sobre os 6 dias preso

Foto: Gilberto Leite

O ex-secretário chefe da Casa Civil Paulo Taques deixou o Centro de Custódia de Cuiabá (CCC). Ele foi preso na última sexta (4), sob a acusação de ser o mandante da interceptação telefônica ilegal contra a ex-amante Tatiane Sangalli.

No início da noite desta quinta (10), o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Reynaldo Soares da Fonseca, determinou a soltura dele, mas uma falha na comunicação na expedição do telegrama judicial acabou atrasando o processo. O oficial de Justiça chegou no CCC com o ofício de soltura às 14h46.

Paulo foi solto sob quatro condições: comparecimento regular, mensalmente em juízo; não se ausentar do país sem autorização e da Comarca sem comunicação judicial; proibição de ingressar em prédios públicos da governadoria, da secretaria estadual de Segurança Pública (Sesp), da secretaria estadual de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), da Casa Civil, da Casa Militar e da Polícia Militar; além de estar proibido de se comunicar com integrantes do serviço de inteligência do Estado.

Segundo o ex-secretário, a detenção foi “arbitrária” e nega ter cometido o crime de escuta ilegal. Por meio de nota, diz que os argumentos usados pelo desembargador Orlando Perri, na decisão que culminou na prisão, não passam de “ilações”.

Ao decretar a prisão do ex-secretário, o desembargador Orlando Perri destacou que ficou demonstrado, “às escâncaras”, que Paulo valendo-se do cargo à época ocupado e de sua proximidade com o governador Pedro Taques (PSDB), procurou o então secretário de Segurança Pública, seu adjunto, bem como a secretária-adjunta de Inteligência, comunicando o envolvimento da ex-amante com prática criminosa, mesmo sabendo de sua inocência, “com o único propósito de interceptá-la ilegalmente”.

Paulo Taques deixou a prisão agora as 15h18 e foi para casa, no residencial Florais, em Cuiabá, ficar na presença dos familiares. Ao deixar o CCC, o ex-secretário diz que não se pronunciará por agora sobre o assunto, mas promete fazer uma coletiva de imprensa para comentar a detenção. Ele não quis responder se está se sentindo injustiçado.

A defesa de Paulo, patrocinada pelo advogado Rodrigo Leite, ressaltou os motivos do atraso da soltura. “Recebemos o telegrama ontem, mas devido ao adiantar da hora não conseguimos fazer o cumprimento. Deixamos para hoje e por conta do feriado no Judiciário, do dia do advogado, a Justiça não funcionou e tivemos que trabalhar em modo de plantão, o que deu uma atrasada em tudo”, explica.
 
                                    
Imprimir Enviar para um amigo

0  comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Nova Edição. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Nova Edição poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 
Sitevip Internet