Artigos / Mariana Distéfano Ribeiro

O problema que quase todo mundo tem com a mãe

13/05/18 às 10:01

Imprimir Enviar para um amigo
Participar de uma terapia em grupo, do tipo constelação familiar, renascimento, ou qualquer outra coisa dessas terapias holísticas naturais e não convencionais, é uma experiência que muda a vida de uma pessoa. Acho que porque são terapias que não tratam a mente ou o corpo físico, mas sim, o espírito, o corpo etéreo.

Na terapia de constelação familiar, quase todo mundo tem problemas com a mãe. Alguns são mais tranquilos e outros mais graves, mas é quase todo mundo mesmo. A título de exemplificação: geralmente em um grupo de umas vinte pessoas apenas umas duas não têm embaraços profundos com suas mães. Desses dois, um tem um nozinho de boa, que se cura com uma palavra de perdão ou gratidão. O outro, que é raro, não tem qualquer problema com a mãe.

Às vezes é um imbróglio tão profundo que a pessoa precisa de muita terapia para alcançar a cura. As mães têm um poder espantoso sobre os filhos. Acredito que seja alguma coisa mais profunda do que nossas mentes industriadas possam compreender. É algo que somente a consciência e o espírito conseguem dissecar.

As pessoas têm que parar de endeusar o instituto da maternidade. Existem pessoas ruins no mundo, num existem? Psicopatas sociais, gente manipuladora, mentirosa, invejosa, preconceituosa, dissimulada, sugadora de energia do próximo, gente nociva mesmo. Essas pessoas são seres humanos como qualquer outro e, assim sendo, também se reproduzem e se tornam mães e pais. Aliás, já assistiu Mindhunter? Aquele seriado da Netflix em que dois investigadores e pesquisadores do FBI entrevistam vários assassinos em série na década de 70, sendo a maioria deles psicopatas. Tem um episódio em que o personagem principal fala: “é sempre a mãe”. Enfim, é muito bom, recomendo.

Voltando ao rumo da prosa, eu falo aqui apenas da mãe porque é estatístico, os terapeutas sempre falam: a mãe geralmente é a figura principal no subconsciente do filho, o pai, por consequência, geralmente é secundário. E, sendo assim, nem vou discutir a figura materna sob o aspecto feminista, porque essa discussão pertence a outras searas – a sociológica, a política, a comportamental, etc.

Uma pessoa má, nociva, que engravida e se torna mãe, vai se transformar numa pessoa boa só porque pariu uma criança? Não né, gente. A maternidade não deve e nem pode ser sinônimo de perdão dos pecados, lavagem da alma e transmutação em ser imaculado. Parece que criticar uma mãe é um tabu, e criticar uma criança também parece ser. Algumas mães escangalham de tal maneira a vida de um filho que muitas vezes é muito difícil para a pessoa recuperar o poder e o controle sobre sua vida. Mas ainda assim, em alguns casos, com alguma autorreflexão, meditação e, principalmente, comprometimento, é bem possível sim conseguir curar-se sozinho.

Os terapeutas também falam que se você tem algum problema com sua mãe ou seu pai é melhor resolver logo. Porque as coisas da vida acabam sempre ficando meio atropeladas enquanto não nutrirmos gratidão, amor, perdão e respeito pelos nossos genitores. Afinal, foram eles que nos deram a vida, somos cinquenta por cento um e cinquenta por cento o outro. Mas isso também não quer dizer que você tenha que viver grudado no rabo da saia da sua mãe, né... Aliás, os terapeutas também falam que, geralmente, é melhor viver longe mesmo.

A gratidão é um dos sentimentos mais poderosos que existe. Falo da gratidão pura, sem expectativa nem contrapartida. Depois que a gente nutre gratidão o amor vem naturalmente e sempre substitui o ódio, o rancor e dá lugar ao perdão.

Então amig@, se existe alguma coisa que te incomoda com relação a seus pais, ou seus filhos, ou seus irmãos, ou a qualquer pessoa, é bom parar, refletir, meditar e fazer brotar a gratidão de dentro para fora, naturalmente e sem forçar a barra. Mesmo que demore alguns vários anos, um dia vai acontecer e aquele sentimento ruim que sempre fez parte de você vai sumir e você vai sentir um alívio imenso.

Vai por mim. O que você tem a perder ao desenvolver o perdão e a gratidão? Orgulho talvez? Ah, mas esse já não vale muita coisa mesmo. Larga mão, se desprenda e deixa fluir.

(Mariana Distéfano Ribeiro nasceu em Sinop, reside em Macapá. Não é mãe e não é psicóloga, é advogada)
Mariana Distéfano Ribeiro

Mariana Distéfano Ribeiro

Mariana Distéfano Ribeiro é advogada, nasceu em Sinop e atualmente atua no Ministério Público de Macapá (AP)
 
 
ver artigos

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Nova Edição. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Nova Edição poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 
 
 
Sitevip Internet